O bicho-da-seda é a larva de uma mariposa. Quando nasce mede cerca de 2,5 mm de comprimento. Durante 42 dias alimenta-se sem parar, de folhas de amoreira e sofre quatro metamorfoses.
Quando atinge o tamanho de 5cm, começa então a tecer um casulo branco e brilhante, composto por um único fio. Com um movimento geométrico infinito, em torno de seu próprio corpo, após três dias de trabalho, estará envolta em um casulo confeccionado por um fio de aproximadamente 1200 metros. Se for deixada em paz... Em 12 dias se transformará numa borboleta.
Com esses fios, há quase três décadas, ando tecendo a minha história. Por um desejo simples, desprovido de maiores intenções, eis aqui um espaço onde me proponho a compartilhar minha trajetória e falar livremente sobre todo tipo de arte, incluindo a arte de viver.
Bem-vindos ao meu mundo, onde nem tudo é sempre colorido, transparente, leve, mas que guarda em si, todas essas possibilidades...

sexta-feira, 17 de junho de 2011

Sobre a técnica de empapelar paredes

Nem é natal, nem é meu aniversario, mas hoje foi o dia dos presentes. Se vc clicar nesse link querido aí embaixo, vai conhecer um dos lindos presentes que recebi... E vai ganhar tambem o passo a passo da tecnica do papel higienico nas paredes. Aproveite! e desfrute do blog da Regiane que é luxo só.
Abraço meu!
Clic:
http://www.casacomdecoracao.com.br/2011/06/decoracao-transfome-seu-banheiro.html

sexta-feira, 1 de abril de 2011

Preconceito




Estou farta dessa hipocrisia, incluindo a minha. Eu tenho preconceito sim! E não são poucos.
Olho atravessado para os japoneses, os negros, os alemães, os franceses e os argentinos (e devo estar esquecendo algum povinho por aí...). Falando de "raça" ainda incluo os curitibanos, os cariocas e os paulistanos. Tenho preconceito dos velhos e novos ricos. Com adoção de crianças, Ongs e instituições de caridade, nem vamos falar de políticos... Tenho preconceito de homem bonito, malhado, jovem e dos gordos e velhos tambem . Tenho preconceito com quem aaaaaadora Disney e Miami. De quem não lê, ouve lixo, se afoga na cerveja e assiste tv. Tenho imensos preconceitos com homossexuais, machistas e feministas. De advogados, técnicos em eletroeletronicos, psicólogos, terapias alternativas, exoterismo, homeopatia, adeptos da igreja universal e ramificações... incluindo todos os religiosos "praticantes", quero dis-tân-cia. Feirinha de artesanato, "arte" do lixo reciclável, artistas contemporâneos famosos e críticos de arte... Ah! essa lista não termina hoje, mas já deu pra constatar que sou mesmo uma preconceituosa de marca. É bem verdade que meu passado me condena... Pra começar, meus filhos são mestiços japoneses. Entre meus grandes amores, está um saxofonista negro, um advogado, um carioca, um outro 30 anos mais velho, outro 10 anos mais jovem. Entre os meus grandes amigos, boa parte é homossexual, outros são ricos (mas não são novos) alguns são psicólogos, um é medico homeopata, outro é um machista adorável, um bem gordinho e que bebe muita cerveja (mas não ouve lixo nem assiste TV) outros são religiosos praticantes. Quando chego em uma cidade vou logo me informando onde acontece a tal feirinha. Frequentemente apoio projetos sócio-econômicos, tenho mais horas de psicoterapia do que piloto aposentado tem de voo, sou habitué de exposições de arte comtemporânea, produzo tecido para cenário de TV e minha única e adorada irmã, é adotiva. Vai entender?
Diante disso, acho que se um argentino bonitão cruzar meu caminho, um sorriso pra ele não vai me quebrar os dentes, será que vai?

Mãe, tem jeito?

Recebi essas imagens do apto que Bruno pretendia alugar em Brasília, com essa pergunta:
Mãe, tem jeito?




 
                                                                  To indooooo!


                          A cortina de voal com barra pintada, no lugar daquela outra... e armário exclusivo.

Aqui mais uma vez a minha técnica de empapelar paredes nos salvou de um azulejo medonho. Nesse caso o papel é papel higiênico, para ser bastante original e a área do box também foi recoberta e eu garanto que resiste
 Gostou? Mora em apto alugado? Quer fazer? Eu ensino: é fácil, rápido e grátis.
                                                            

domingo, 13 de março de 2011

Cântico Negro

Um poema de José Régio, que me inspira desde a juventude e quanto mais eu vivo e vejo e sinto, mais quero distância do que é rápido, fácil e barato.


"Vem por aqui" — dizem-me alguns com os olhos doces
Estendendo-me os braços, e seguros
De que seria bom que eu os ouvisse
Quando me dizem: "vem por aqui!"
Eu olho-os com olhos lassos,
(Há, nos olhos meus, ironias e cansaços)
E cruzo os braços,
E nunca vou por ali...
A minha glória é esta:
Criar desumanidades!
Não acompanhar ninguém.
— Que eu vivo com o mesmo sem-vontade
Com que rasguei o ventre à minha mãe
Não, não vou por aí! Só vou por onde
Me levam meus próprios passos...
Se ao que busco saber nenhum de vós responde
Por que me repetis: "vem por aqui!"?


Prefiro escorregar nos becos lamacentos,
Redemoinhar aos ventos,
Como farrapos, arrastar os pés sangrentos,
A ir por aí...
Se vim ao mundo, foi
Só para desflorar florestas virgens,
E desenhar meus próprios pés na areia inexplorada!
O mais que faço não vale nada.


Como, pois, sereis vós
Que me dareis impulsos, ferramentas e coragem
Para eu derrubar os meus obstáculos?...
Corre, nas vossas veias, sangue velho dos avós,
E vós amais o que é fácil!
Eu amo o Longe e a Miragem,
Amo os abismos, as torrentes, os desertos...


Ide! Tendes estradas,
Tendes jardins, tendes canteiros,
Tendes pátria, tendes tetos,
E tendes regras, e tratados, e filósofos, e sábios...
Eu tenho a minha Loucura !
Levanto-a, como um facho, a arder na noite escura,
E sinto espuma, e sangue, e cânticos nos lábios...
Deus e o Diabo é que guiam, mais ninguém!
Todos tiveram pai, todos tiveram mãe;
Mas eu, que nunca principio nem acabo,
Nasci do amor que há entre Deus e o Diabo.


Ah, que ninguém me dê piedosas intenções,
Ninguém me peça definições!
Ninguém me diga: "vem por aqui"!
A minha vida é um vendaval que se soltou,
É uma onda que se alevantou,
É um átomo a mais que se animou...
Não sei por onde vou,
Não sei para onde vou
Sei que não vou por aí!

terça-feira, 1 de fevereiro de 2011

segunda-feira, 10 de janeiro de 2011

Vale a pena ver de novo


Estreou hoje no "Vale a Pena Ver de Novo" a novela "O Clone" de Gloria Perez que foi ao ar em 01/10/2001 no horario nobre da Tv Globo. Este foi o trabalho mais importante que realizei para a emissora. Trabalhei juntamente com os cenógrafos e figurinistas por mais de um ano, criando as sedas esvoaçantes das janelas e dos véus. No video, cenário de "Latifa", (Letícia Sabatella) onde a deslumbrante "Jade" ( Giovana Antonelli) dança para as amigas e é flagrada por "Lucas" (Murilo Benício) no primeiro capítulo. O momento em que Lucas vê Jade por trás da seda, recebi como um presente do diretor Jayme Mondjardim.
Estou feliz com a oportunidade de ver de novo.




sábado, 8 de janeiro de 2011

Cativar

Para Mariana Pellegrini

E foi então que apareceu a raposa:
- Boa dia, disse a raposa.
- Bom dia, respondeu polidamente o principezinho, que se voltou, mas não viu nada.
- Eu estou aqui, disse a voz, debaixo da macieira...
- Quem és tu? perguntou o principezinho. Tu és bem bonita...
- Sou uma raposa, disse a raposa.
- Vem brincar comigo, propôs o principezinho. Estou tão triste...
- Eu não posso brincar contigo, disse a raposa. não me cativaram ainda.
- Ah! desculpa, disse o principezinho.
Após uma reflexão, acrescentou:
- Que quer dizer "cativar"?
- Tu não és daqui, disse a raposa. Que procuras?
- Procuro os homens, disse o principezinho. Que quer dizer "cativar"?
- Os homens, disse a raposa, têm fuzis e caçam. É bem incômodo! Criam galinhas também. É a única coisa interessante que fazem. Tu procuras galinhas?
- Não, disse o principezinho. Eu procuro amigos. Que quer dizer "cativar"?
- É uma coisa muito esquecida, disse a raposa. Significa "criar laços..."
- Criar laços?
- Exatamente, disse a raposa. Tu não és para mim senão um garoto inteiramente igual a cem mil outros garotos. E eu não tenho necessidade de ti. E tu não tens também necessidade de mim. Não passo a teus olhos de uma raposa igual a cem mil outras raposas. Mas, se tu me cativas, nós teremos necessidade um do outro. Serás para mim único no mundo. E eu serei para ti única no mundo...
- Começo a compreender, disse o principezinho. Existe uma flor... eu creio que ela me cativou...
- É possível, disse a raposa. Vê-se tanta coisa na Terra...
- Oh! não foi na Terra, disse o principezinho.
A raposa pareceu intrigada:
- Num outro planeta?
- Sim.
- Há caçadores nesse planeta?
- Não.
- Que bom! E galinhas?
- Também não.
- Nada é perfeito, suspirou a raposa.
Mas a raposa voltou à sua idéia.
- Minha vida é monótona. Eu caço as galinhas e os homens me caçam. Todas as galinhas se parecem e todos os homens se parecem também. E por isso eu me aborreço um pouco. Mas se tu me cativas, minha vida será como que cheia de sol. Conhecerei um barulho de passos que será diferente dos outros. Os outros passos me fazem entrar debaixo da terra.
O teu me chamará para fora da toca, como se fosse música. E depois, olha! Vês, lá longe, os campos de trigo? Eu não como pão. O trigo para mim é inútil. Os campos de trigo não me lembram coisa alguma. E isso é triste! Mas tu tens cabelos cor de ouro. Então será maravilhoso quando me tiveres cativado. O trigo, que é dourado, fará lembrar-me de ti. E eu amarei o barulho do vento no trigo...
A raposa calou-se e considerou por muito tempo o príncipe:
- Por favor... cativa-me! disse ela.
- Bem quisera, disse o principezinho, mas eu não tenho muito tempo. Tenho amigos a descobrir e muitas coisas a conhecer.
- A gente só conhece bem as coisas que cativou, disse a raposa. Os homens não têm mais tempo de conhecer alguma coisa. Compram tudo prontinho nas lojas. Mas como não existem lojas de amigos, os homens não têm mais amigos. Se tu queres um amigo, cativa-me!
- Que é preciso fazer? perguntou o principezinho.
- É preciso ser paciente, respondeu a raposa. Tu te sentarás primeiro um pouco longe de mim, assim, na relva. Eu te olharei com o canto do olho e tu não dirás nada. A linguagem é uma fonte de mal-entendidos. Mas, cada dia, te sentarás mais perto...
No dia seguinte o principezinho voltou.
- Teria sido melhor voltares à mesma hora, disse a raposa. Se tu vens, por exemplo, às quatro da tarde, desde as três eu começarei a ser feliz. Quanto mais a hora for chegando, mais eu me sentirei feliz. Às quatro horas, então, estarei inquieta e agitada: descobrirei o preço da felicidade! Mas se tu vens a qualquer momento, nunca saberei a hora de preparar o coração... É preciso ritos.
- Que é um rito? perguntou o principezinho.
- É uma coisa muito esquecida também, disse a raposa. É o que faz com que um dia seja diferente dos outros dias; uma hora, das outras horas. Os meus caçadores, por exemplo, possuem um rito. Dançam na quinta-feira com as moças da aldeia. A quinta-feira então é o dia maravilhoso! Vou passear até a vinha. Se os caçadores dançassem qualquer dia, os dias seriam todos iguais, e eu não teria férias!
Assim o principezinho cativou a raposa. Mas, quando chegou a hora da partida, a raposa disse:
- Ah! Eu vou chorar.
- A culpa é tua, disse o principezinho, eu não queria te fazer mal; mas tu quiseste que eu te cativasse...
- Quis, disse a raposa.
- Mas tu vais chorar! disse o principezinho.
- Vou, disse a raposa.
- Então, não sais lucrando nada!
- Eu lucro, disse a raposa, por causa da cor do trigo.
Depois ela acrescentou:
- Vai rever as rosas. Tu compreenderás que a tua é a única no mundo. Tu voltarás para me dizer adeus, e eu te farei presente de um segredo.
Foi o principezinho rever as rosas:
- Vós não sois absolutamente iguais à minha rosa, vós não sois nada ainda. Ninguém ainda vos cativou, nem cativastes a ninguém. Sois como era a minha raposa. Era uma raposa igual a cem mil outras. Mas eu fiz dela um amigo. Ela á agora única no mundo.
E as rosas estavam desapontadas.
- Sois belas, mas vazias, disse ele ainda. Não se pode morrer por vós. Minha rosa, sem dúvida um transeunte qualquer pensaria que se parece convosco. Ela sozinha é, porém, mais importante que vós todas, pois foi a ela que eu reguei. Foi a ela que pus sob a redoma. Foi a ela que abriguei com o pára-vento. Foi dela que eu matei as larvas (exceto duas ou três por causa das borboletas). Foi a ela que eu escutei queixar-se ou gabar-se, ou mesmo calar-se algumas vezes. É a minha rosa.
E voltou, então, à raposa:
- Adeus, disse ele...
- Adeus, disse a raposa. Eis o meu segredo. É muito simples: só se vê bem com o coração. O essencial é invisível para os olhos.
- O essencial é invisível para os olhos, repetiu o principezinho, a fim de se lembrar.
- Foi o tempo que perdeste com tua rosa que fez tua rosa tão importante.
- Foi o tempo que eu perdi com a minha rosa... repetiu o principezinho, a fim de se lembrar.
- Os homens esqueceram essa verdade, disse a raposa. Mas tu não a deves esquecer. Tu te tornas eternamente responsável por aquilo que cativas. Tu és responsável pela rosa...
- Eu sou responsável pela minha rosa... repetiu o principezinho, a fim de se lembrar.
"O Pequeno Príncipe"