O bicho-da-seda é a larva de uma mariposa. Quando nasce mede cerca de 2,5 mm de comprimento. Durante 42 dias alimenta-se sem parar, de folhas de amoreira e sofre quatro metamorfoses.
Quando atinge o tamanho de 5cm, começa então a tecer um casulo branco e brilhante, composto por um único fio. Com um movimento geométrico infinito, em torno de seu próprio corpo, após três dias de trabalho, estará envolta em um casulo confeccionado por um fio de aproximadamente 1200 metros. Se for deixada em paz... Em 12 dias se transformará numa borboleta.
Com esses fios, há quase três décadas, ando tecendo a minha história. Por um desejo simples, desprovido de maiores intenções, eis aqui um espaço onde me proponho a compartilhar minha trajetória e falar livremente sobre todo tipo de arte, incluindo a arte de viver.
Bem-vindos ao meu mundo, onde nem tudo é sempre colorido, transparente, leve, mas que guarda em si, todas essas possibilidades...

quinta-feira, 9 de setembro de 2010

sexta-feira, 23 de julho de 2010

Plantão da Madrugada

O jornalista e o assistente


Hoje a Universidade Federal Fluminense fará a colação de grau das turmas de jornalismo 2009.
Cada formando (suponho) tem uma historia e uma mãe. Eu sou a mãe que tem um filho formando.
Mas essa historia aconteceu de traz pra frente. Ele começou o curso em Recife mas na metade precisou de uma vaga em Niterói e não havia. Enquanto esperava foi estagiar num jornal, sua grande escola e seu primeiro emprego, apesar de que seu salário mal dava pra manter a alma e o corpo unidos. Depois foi recebendo novas oportunidades em outros jornais e se tornou o "estagiário" mais caro do país... Em seis anos escreveu um currículo prá lá de respeitável. Uma vasta e rica trajetória como repórter e como assessor de imprensa. No meio do caminho conseguiu a vaga para continuar o curso. No fim, as leis mudaram e o diploma passou a não ser obrigatório mas mesmo assim ele conseguiu defender sua tese brilhantemente e concluiu. Hoje as 18:00 hs estará dentro da beca.
Eu não estarei lá porque combinamos que diante do caminho ja percorrido isto não passa de mera formalidade, o que não justifica imensos sacrifícios. Racionalmente eu concordo. Mas que faço eu comigo se sou feita de emoção? E ele, será que na hora não sentirá minha falta?
Por via das dúvidas, deixo-lhe aqui um recado:
Possa a estrada sempre se abrir larga à sua frente. Possa o vento soprar forte às suas costas. Possa o sol bater quente em seu rosto e até que eu possa lhe abraçar novamente, possa Deus guarda-lo carinhosamente na palma de Sua mão.
Dentre todas as pessoas que aplaudem você, eu sempre serei aquela em pé na primeira fila.
Amor absoluto
Mamãe


quarta-feira, 21 de julho de 2010

Hoje

"Pour decoller"/Paris 94- detalhe pintura em seda

Se eu tiver que despertar para algo, prefiro que seja pelo canto de um pássaro do que por uma sirene. A sirene me faz pensar no lugar onde estou... O pássaro me fará lembrar pra onde quero ir...

sábado, 10 de julho de 2010

Aconteceu comigo...


Há tempo sentimos a necessidade premente de dispor de uma caminhonete para o transporte de nossas obras à novos mercados mas como a maré não está para peixe grande... a gente espera, trabalha com o que tem e reza . Mas Deus do céu! Quanto cansa esperar com esperança. Quanto é difícil manter o entusiasmo, trabalhar com as frustrações e enfrentar todas as dificuldades. O sofrimento me levou a um tempo de aprender palavras difíceis como renúncia, resignação e confiança. Primeiro descobri a diferença entre esperança e expectativa. Percebi que esperança nos enche os pulmões de ar puro e que expectativa nos sufoca. Compreendi que confiar em Deus significa saber que está tudo certo principalmente quando eu penso que não está. No domingo passado, tive por telefone, uma profunda conversa com meu filho sobre essas descobertas e sobre a nova postura que decidi adotar diante dos impasses da minha vida. Nos despedimos com palavras de estímulo e lembro de ele ter dito que a proxima semana seria muito feliz. Acatei apenas como um desejo sincero de um filho, sem nenhuma expectativa. Na quarta feira seguinte, no fim da tarde, recebi uma ligação dos três filhos distantes, em conferencia e ao mesmo tempo uma carta escrita por eles. Pediram que eu a lesse ao telefone. No primeiro paragrafo questionavam sobre o que poderia caber na carroceria de uma caminhonete e não chegaram a uma conclusão. Neste momento julguei que fossem me induzir a desistir do nosso sonho, mas seguem dizendo: "...O que nos importa mais, é saber se a caçamba desse utilitário consegue levar a admiração que temos por vocês como casal e como parceiros profissionais. Tem sido difícil para nós três, ver o potencial de vocês ofuscado pela falta de um recurso. O que estamos querendo dizer é que acreditamos não apenas com palavras, que estamos felizes por Deus nos ter capacitado para hoje poder prover essa alegria às suas vidas. Esse utilitário é a nossa demonstração recíproca do bem que vocês nos fazem ao vermos ambos felizes por estarem um na vida do outro..."
Emocionada mas sem entender nada, ouvi um deles dizer: Mamãe, agora abra a porta da sua casa...
Me faltou o ar, as pernas, o coração. La estava, embrulhada para presente à porta da nossa casa, uma linda caminhonete, licenciada, emplacada, assegurada e abastecida.
Estou certa de que meu punho não pode explicar a magia que eternizou aquele momento e o significado de tudo isso, tambem não há como descrever. Tampouco agradecimento que seja suficiente. Sendo assim, antes que as palavras diminuam os sentimentos, eu vou ficando por aqui.

quarta-feira, 7 de julho de 2010

Roupa nova nas paredes

 

 

 


Ninguem é obrigado a viver num lugar assim, nem eu! Foi o que pensei quando aluguei esta casinha e veja o jeito que encontrei de transformar esses ambientes sem quebradeira e sem gastar quase nada

> 
Posted by Picasa


Mas quem conta esta estoria direitinho é a Ana Medeiros e se quiser aprender a fazer, clica aqui

sexta-feira, 2 de julho de 2010

Carta a um menino brasileiro


por Marcelo Barreto

"...Você também é muito novo para entender uma coisa importante, que nem muitos adultos entenderam ainda: nao dá para ganhar todas. O mundo é muito grande, tem muita gente boa de bola fora do Brasil. Ser brasileiro já nos dá o privilégio de ter visto nossa seleção ser campeã mais vezes do que qualquer outra. Imagina o que é ser criança na Holanda…"
Na íntegra, aqui

quarta-feira, 23 de junho de 2010

Uma carta para o céu






Eu pinto ainda...Amor
E que me importa se a estrada é longa,
Se a esperança é finda,
Se é fria e morta, tanta coisa linda.
Se tanta coisa linda, é fria e morta.

Eu pinto ainda...
A esperança da dignidade e da paz que eu não achei.
Eu pinto também tal desventura.
Eu pinto a infinda razão que tenho para não pintar.
Ouço do mundo a ordem brutal para parar
Mas ainda assim, tomo Teus pincéis, e pinto ainda, Amor!

Eu pinto ainda, Amor,
A inexistência das cores, no desencontro dos amores.
Eu pinto, porque pintar é transcender, estancar.
Eu pinto porque enquanto pinto não penso, nem sequer me pertenço.
Eu pinto porque pintar é a única forma que eu tenho de me ofertar a Ti

Ouve, eu Te imploro,
O lamento das sedas,
O sussurro das cores.
Aceita a fragilidade dos traços e a palidez desta aquarela.
Depois toca de leve meu pobre ser, desolado e dormente,
Pois quando Tu me tocas,
Tudo em mim volta à vida, tudo em mim renasce, tudo em mim floresce.
Faz brotar novas flores em meu jardim secreto
E ilumina as cores desta minh'alma de artista...
Para que eu possa continuar dizendo:
Eu pinto ainda...Amor!

segunda-feira, 21 de junho de 2010

Boa semana


"Para os erros há perdão; para os fracassos, chance; para os amores
impossíveis, tempo. De nada adianta cercar um coração vazio ou
economizar alma. O romance cujo fim é instantâneo ou indolor não é
romance. Não deixe que a saudade sufoque, que a rotina acomode, que
o medo impeça de tentar. Desconfie do destino e acredite em você.
Gaste mais horas realizando que sonhando, fazendo que planejando,
vivendo que esperando, porque embora quem quase morre esteja vivo,
quem quase vive já morreu."

Luis Fernando Veríssimo

quinta-feira, 25 de fevereiro de 2010

Presente para o coração



Eu queria muito um saleiro de parede mas parece que isso nem se usa mais, mas eu queria. So encontrei esse vasinho... mas não é que um amado e habilidoso marceneiro transformou o meu vasinho no saleiro que eu queria? E ainda arrematou com essa declaração de amor? Chorei!