O bicho-da-seda é a larva de uma mariposa. Quando nasce mede cerca de 2,5 mm de comprimento. Durante 42 dias alimenta-se sem parar, de folhas de amoreira e sofre quatro metamorfoses.
Quando atinge o tamanho de 5cm, começa então a tecer um casulo branco e brilhante, composto por um único fio. Com um movimento geométrico infinito, em torno de seu próprio corpo, após três dias de trabalho, estará envolta em um casulo confeccionado por um fio de aproximadamente 1200 metros. Se for deixada em paz... Em 12 dias se transformará numa borboleta.
Com esses fios, há quase três décadas, ando tecendo a minha história. Por um desejo simples, desprovido de maiores intenções, eis aqui um espaço onde me proponho a compartilhar minha trajetória e falar livremente sobre todo tipo de arte, incluindo a arte de viver.
Bem-vindos ao meu mundo, onde nem tudo é sempre colorido, transparente, leve, mas que guarda em si, todas essas possibilidades...

domingo, 13 de julho de 2008

O Café do Brasil

“O café continua sendo uma das riquezas essenciais do Brasil, contribuindo com parte substancial das divisas obtidas pelas exportações do País. Sua expansão enriqueceu São Paulo e promoveu o povoamento de vastas áreas, incentivando a formação de núcleos urbanos"


Na minha opinião, atualmente o melhor café do Brasil está sendo produzido e servido no interior de São Paulo, numa pequena cidade chamada Mogi Mirim onde vive Janete Cunha Claro. Uma artista plástica, que com o seu "Café do Brasil" também já cruzou fronteiras e ganhou o apreço dos "paladares" mais apurados.
Creio ser desnecessário dizer muito. Se alguém em contato com essa obra, não for capaz de sentir o cheirinho do café coado na hora e ouvir os risos a volta de uma mesa, também não vai conseguir entender uma longa explicação.
A obra de Janete vai muito além da simples representação de coisas belas, para atingir a bela representação de uma coisa, chamada brasilidade. Para mim, isto... É Arte!


Um comentário:

Ray disse...

Itinha... sem comentários.... vc foi muito feliz nesse depoimento (se é que posso falar assim)do café do Brasil, realmente o cheirinho da brasilidade salta dessas telas e agussa o meu paladar, me convida para mais um cafézinho nesse começo de segunda feira. Essa sensibilidade também é Arte Pura!
Beijos
Ray