O bicho-da-seda é a larva de uma mariposa. Quando nasce mede cerca de 2,5 mm de comprimento. Durante 42 dias alimenta-se sem parar, de folhas de amoreira e sofre quatro metamorfoses.
Quando atinge o tamanho de 5cm, começa então a tecer um casulo branco e brilhante, composto por um único fio. Com um movimento geométrico infinito, em torno de seu próprio corpo, após três dias de trabalho, estará envolta em um casulo confeccionado por um fio de aproximadamente 1200 metros. Se for deixada em paz... Em 12 dias se transformará numa borboleta.
Com esses fios, há quase três décadas, ando tecendo a minha história. Por um desejo simples, desprovido de maiores intenções, eis aqui um espaço onde me proponho a compartilhar minha trajetória e falar livremente sobre todo tipo de arte, incluindo a arte de viver.
Bem-vindos ao meu mundo, onde nem tudo é sempre colorido, transparente, leve, mas que guarda em si, todas essas possibilidades...

domingo, 21 de setembro de 2008

Hoje é dia da Árvore

http://www.bahaipictures.com/

A árvore


"De um galhinho a toa, que não se sabe de onde veio e o que é nem pra que serve. Que vai dia após dia engrossando seu tronco e se esticando em outros galhos, que vai subindo, subindo como se pretendesse chegar no céu e alcançar o sol, pra nossa surpresa um dia aparece majestosamente uma árvore
É no fresquinho da tua sombra, no docinho da tua fruta agora posso entender pra que serves.
Vieste de uma mão maior do que a minha. Vieste de um ser maior que todas as árvores e maior que todos os homens mas vieste para os homens.
Árvore amiga, tu és tudo. És o alimento, és a sombra, és o leito, és a mesa, és o fogo, és o perfume, és minha aventura em teus galhos és a cruz. És hospitaleira com os passarinhos, és bondade pura pois muitas vezes se transforma em berço para muitos menininhos. Eu te agradeço Deus por ter me dado as árvores,
Eu te agradeço árvore por tudo o que tu me das e te digo: quando por ventura ou por justiça eu tiver que cortar uma, eu te prometo plantar duas."
Fim

Este texto, de André Kano, um jornalista apaixonado, comprometido, perfeccionista, foi escrito bem no início de sua carreira, quando ele tinha ainda nove anos de idade. Está aqui publicado sem a sua autorização. Sei que corro o risco de ser processada mas confio que a lembrança da mochila Redley, do cheirinho dos cadernos novos, da sua primeira Pentel, do pão com pollenguinho na lancheira, das velas acendidas no vestibular e do seu primeiro estágio no Fluminense, cuja remuneração nem dava pra manter a alma e o corpo unidos... sejam argumentos para que ele retire a queixa.
Feliz primavera para todos nós! Especialmente para aqueles que são capazes de olhar para uma semente e enxergar um jardim.
.


7 comentários:

Anônimo disse...

Cara Ita, sempre que posso tenho lido seu blog e gosto do seu estilo. Parece uma coisa tipo festa-cabeça: prá cima, alegre, sério e sem compromisso; mas nem por isso menos intrigante e profundo.
Adorei o texto do jornalista André Kano e tive que postar este comentário. Acredito que ele não vá processá-la, pois é de uma pureza e profundidade que salta aos olhos em pleno ano nove. A mãe dele deve estar orgulhosa.
Eduardo Garnier

Ita Andrade disse...

Eita visita ilustre! ganhei a semana, o mes, a primavera toda com esse coment. Tomara que o jornalista tambem passe por aqui... Muito obrigada, Garnier, muito obrigada mesmo!

Pâmela disse...

Nossa, vi uma árvore crescer bem diante dos meus olhos! Desde um simples galhinho até sua frondosa forma.
Que poder com as palavras tem esse homem, eim! E era ainda um menino!
Obrigada pela visita. ^^
E boa semana!

Maria Amália Camargo disse...

Oi Ita,
Muuuuuito obrigada pelos votos de primaveras e verões... Fiquei bem feliz com seus cumprimentos.
Ah! E prometo logo logo deixar os brigadeiros de lado e voltar com força total para o blog.
Um grande beijo, muitos abraços e tudo de bom,

Valéria Martins disse...

Obrigada, Ita! Eu também me lembrei do início da primavera. Dei boas vindas à estação mais bonita do ano. Que esse renascimento da natureza traga flores e abundância às nossas vidas. Um beijo com carinho
Valéria

Calabresa disse...

Eu tô com saudade!!!
Sua prosa tá fazendo falta.
Bjsss!

milve disse...

Quem não ve a natureza não encherga a vida. André kano não deve se zangar contigo, quem tem a capaciedade de detalhar o que representa uma árvore não quer que seu sentimento fique mesquinhamente prêso a direitos autorais, deve ter escrito para a humanidade e não para folhas de papel.

Abraços